Detox digital: 50 dias desconectada do Instagram

Duda Schietti conta sobre a sua experiência de ficar offline

Em 2013, Duda Schietti (@dudaschietti) vivia seu sonho de cursar moda em Nova York quando, aos 23 anos, sua vida se transformou por conta de um AVC repentino. Hoje, avalia o acontecimento como um catalisador de um novo capítulo da sua vida: o despertar para uma transformação de hábitos.

Reconexão é uma máxima que Duda carrega com propósito. A comunicadora divide em suas redes temas como espiritualidade, alimentação, rotina e bem-estar. O seu grande propósito é transmitir seu conhecimento a mulheres que buscam cura emocional, mental e espiritual para que assumam o protagonismo de suas jornadas. Para o Hering Todo Momento, ela traz como foi a experiência de seu detox digital. Vamos lá?

por Duda Schietti

Vou contar um pouco da minha trajetória pelo mundo digital para você entender porque eu resolvi fazer uma desintoxicação de mídia social por um período. Eu tenho a minha conta no Instagram desde 2014, mas em 2019 eu me mudei para São Paulo e foi quando tudo mudou e novos caminhos se abriram. E muito organicamente, comecei a monetizar a minha conta e o Instagram virou o meu trabalho.

Desde então, eu nunca tinha me desligado 100% do Instagram por mais de 3 dias. Esse pensamento apareceu para mim no meio desse ano e ficou ali, latejando. Com ele, veio uma outra reflexão: há praticamente 2 anos e meio eu nunca tinha tirado férias do meu trabalho. Uau! Não à toa que eu estava me sentindo exausta, esgotada e sobrecarregada.

Trabalhar como criadora de conteúdo digital exige nível máximo de criatividade, energia e saúde mental e o grande problema é que todos eles se esgotam absurdamente rápido – cabe somente a nós ter bom senso, respeito e amor à nós mesmas para saber a hora que precisamos fazer uma pausa para encher o tanque novamente. Eu senti que tinha chegado a minha vez de recalibrar.

Um outro fator que contribuiu (e muito) para eu tomar a decisão de que estava na hora de fazer essa pausa foi quando notei certa diferença no meu comportamento e no meu humor. Eu estava menos paciente e mais irritada. Qualquer 2 minutos que eu tinha livre já era motivo de abrir o Instagram e ficar rolando a tela – foi aí que percebi que estava constantemente tentando suprir qualquer momento de tédio. Além de um sentimento de ansiedade que me acompanhava o dia todo, eu me percebi em uma fase muito autocrítica onde o meu amor-próprio não estava mais vibrando alto.

Como influenciadora digital eu tenho que acompanhar e me atentar ao engajamento do conteúdo que eu crio. Porém, quando a gente se “apega” demais a esses números e viramos refém dos aplausos nos comentários, pode ser algo muito tóxico para nossa saúde emocional. E isso estava acontecendo comigo.

A partir desses sintomas eu fui percebendo que era hora de eu me recolher para me refazer e então poder recomeçar. Pensava muito sobre essas “férias”, mas sempre sentia uma mistura de sentimentos que não me permitiam levar adiante essa decisão. Era um pouco de falta de coragem de ficar offline, com uma culpa de não ser produtiva e criativa por um período e também um medo de ser esquecida. Agora eu percebo o quanto eu me deixei ser engolida e dominada por um aplicativo… Percebi que, na realidade, eu que tinha esquecido de mim mesma, na tentativa de querer seguir um ritmo e um estilo de vida que não é o que eu busco para minha vida.

Quando Agosto chegou, eu senti muito forte que era o mês para me dedicar a mim mesma e em ir em busca dessa reconexão. Criei coragem e decidi fechar minha agenda o mês inteiro e finalmente tirar as férias que eu nunca tive! E ainda me dei um bônus de presente: me permiti ficar fora do Instagram até o dia que iniciava a primavera, dia 22 de Setembro. Escolhi essa data com a intenção de me alinhar com o ritmo da natureza, assim nós duas começamos um novo ciclo.

A sensação que eu tenho é que nesses 50 dias eu vivi em um universo paralelo e as coisas aconteciam em um ritmo mais devagar e tudo parecia ser mais real. Logo de cara senti uma diferença gigante no rendimento do meu dia e como eu estava conseguindo administrar melhor o meu tempo. Essa experiência me mostrou o quanto eu me enganava quando reclamava que não tinha tempo para fazer alguma coisa quando na realidade eu estava apenas priorizando outras coisas.

Aproveitei esse tempo para estar mais presente dentro da minha própria casa, prestar atenção nos detalhes, aproveitar cada cantinho. Acender uma vela, ligar uma música. Desacelerar.

Fazia muito tempo que não tinha a sensação de chegar ao final do dia mesmo parecendo que não era o fim, sabe? Eu ainda tinha ânimo, energia, entusiasmo. Minha mente ainda era capaz de pensar e solucionar problemas. Eu estava mais calma, paciente e amorosa.

Além dessa sensação de leveza do meu corpo, eu também fiquei muito mais leve. Não pense que só porque estamos separados por uma tela de celular que estamos protegidos das interações que acontecem o tempo todo. O nosso corpo é como se fosse uma esponja e absorve tudo o que a gente pensa, fala, sente, ouve e vê. Por isso, já fica aqui uma dica de fazer uma limpeza no seu perfil para deixar de seguir ou pelo menos silenciar os perfis que não estão te agregando em nada e que você não se identifica mais.

Se você se identificou com algum desses sintomas e sentiu o chamado para repensar a sua relação com o Instagram, aqui vão algumas dicas para você dar o start no seu processo:

– Silencie todas as notificações para você não se distrair e perder o foco durante o dia. Coloque um limite e marque horários determinados na sua agenda para entrar nas redes Isso já vai fazer muita diferença no seu dia e no seu estado de espírito, pode confiar!

– Escolha pelo menos um dia da semana para ficar totalmente offline. Eu comecei a fazer isso aos fins de semana, funcionou muito e eu voltava na segunda-feira mais renovada e descansada.

Quero também deixar uma mensagem bem clara: todos esses pontos “negativos” que eu trouxe sobre o Instagram só acontecem quando erramos a mão e permitimos que ele controle a nossa vida. Quando aprendemos a lidar com a dinâmica do mundo digital e aprendemos a controlar o nosso uso em frente às telas, esse app pode ser uma grande ferramenta e fonte de conhecimento, inspiração, amizades, conexões, oportunidades de trabalho e novas ideias. Basta não esquecermos de dar lugar ao mundo real, sempre, em primeiro lugar!

COMPRE O LOOK

Próximo Post>>